Audiência pública debate os rumos da agricultura no Brasil

Audiência pública debate os rumos da agricultura no Brasil
14/03/2014 noticias
Com a mediação da senadora Ana Amélia Lemos, a Expodireto Cotrijal 2014 sediou no Auditório Central uma audiência pública da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado.

Participaram do encontro representantes do Ministério do Desenvolvimento Agrário, da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), da Emater e da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária (CNA). O presidente da Cotrijal, Nei César Mânica, também esteve presente na abertura do evento, além de vários deputados estaduais e federais. O intuito do encontro era esclarecer aos espectadores a criação da Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater), sancionada em dezembro do ano passado. A Anater atuará junto à Embrapa na aplicação de novas tecnologias aos produtores rurais, independente da extensão da propriedade. "Todo o conhecimento e informação produzidos precisam de um operador que os leve até os mais longínquos rincões para que o agricultor possa aplicar o que é desenvolvido pela Embrapa. O papel da extensão é este, levar a informação adequada para os agricultores", disse a senadora. Segundo Argileu Martins da Silva, diretor do Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ministério do Desenvolvimento Agrário, a criação da Anater pode se transformar em um aliado importante no desenvolvimento agrário, especialmente para o pequeno produtor. "A agricultura tem a responsabilidade de ser geradora de renda, de dinamização econômica. Também tem um papel importante na preservação dos recursos naturais, manutenção da água, sem contar a segurança alimentar", explicou. Ainda segundo Argileu, as pessoas ainda confundem assistência técnica com extensão rural. "Para dar um exemplo simples, assistência técnica é para onde eu envio um aparelho quando ele apresenta problema. Ela não estabelece que o produtor se aproprie do conhecimento, tornando-o dependente. A extensão rural complementa a assistência técnica, trabalha com a questão educacional, não formal, mas permite através dos seus métodos que a pessoa que interage com o técnico se aproprie daquele conhecimento. Estas são as diferenças essenciais entre elas", analisou. Após as exposições dos convidados, foi discutida também a questão da Anater, que durante a semana reconquistou a condição de entidade filantrópica. "A Emater é a empresa de extensão do nosso Estado, penso que todo este processo deve ter criado muitas dificuldades. Temos bem claro a questão de que as coisas se concentrem em Brasília, é necessário que estas ideias e procedimentos irradiem para todo o território brasileiro. Este foi um dos motivos da realização desta audiência", afirmou a senadora.


Compartilhar:
Todos os Direitos Reservados © 2019
Desenvolvido por: BRSIS