Estrangeiros fizeram do Pavilhão Internacional a sua casa

Estrangeiros fizeram do Pavilhão Internacional a sua casa
11/03/2016 noticias
Nos cinco dias de Expodireto Cotrijal comitivas de 70 países fizeram do Pavilhão Internacional a sua casa.

A 17 edição da feira serviu para inúmeros contatos de troca de experiências, conhecimentos e possibilidades de negócios futuros, entre compradores estrangeiros e exportadores brasileiros. Uma programação especialmente desenvolvida pela organização envolveu integrantes de comitivas de vários países, como Alemanha, Argélia, Egito, Malásia, Sudão e Suíça, dentre outras, nos períodos do dia e da noite. O balanço final, segundo o coordenador do Pavilhão Internacional, Evaldo Silva Júnior, em termos de novos produtos e tecnologias, é muito bom. "Tivemos completa mudança em relação ao que foi realizado nos últimos anos. Ano passado, por exemplo, foi forte a questão dos grãos: arroz, soja. E este ano tivemos muitos interessados na área de máquinas, implementos e equipamentos. Isto significou uma mudança nos fechamentos de negócios", destacou. A presença, pela primeira vez, de países do Leste Europeu, como Eslováquia, Eslovênia e Armênia, que têm tradição em máquinas e implementos agrícolas, e que tem uma indústria metal/mecânica forte, ajudou a fomentar a procura pelo setor de máquinas e equipamentos na Expodireto Cotrijal. "É bem possível que se abra também um leque para futuros negócios do setor, uma vez que a procura pela nossa tecnologia foi considerável por parte destas comitivas, para as quais muito do que temos aqui ainda é novidade", salienta Evaldo Junior. O Pavilhão Internacional também trabalha para que mudanças sejam feitas, visando atender as necessidades de compradores e de exportadores. Neste sentido, decisão tomada, e bem aceita pelas partes envolvidas, foi o fato de os estrangeiros se reunirem com os expositores nos seus próprios estandes. Antes, as rodadas de negócios aconteciam somente no Pavilhão Internacional. AS COMITIVAS A maior comitiva presente na 17 edição da Expodireto Cotrijal foi da África do Sul, com 22 pessoas, grupo que ficou no Brasil por dois dias, período suficiente para uma grande troca de conhecimento, e uma possibilidade de convivência dos usos e costumes deles e dos gaúchos. E, aqui, entra o também importante trabalho do Pavilhão Internacional no chamado "pós-feira". "Após os contatos rotineiros na feira, as comitivas têm a oportunidade de trocar algumas experiências com os brasileiros, através da participação em eventos que se realizam na Região, encontros em CTGs, o que possibilita uma importante troca de conhecimento, cultura e lazer entre os envolvidos", é o que explica Evaldo Júnior. Com relação a mudanças no processo, o coordenador explica que sempre existe esta possibilidade, principalmente porque a tendência é progredir. Porém, ainda é cedo para uma avaliação mais abrangente. "Nós vamos analisar, avaliar, com calma, mas, possivelmente, haja mudanças sim. A mudança é salutar, principalmente, porque nós trabalhamos para melhorar, a cada ano, para os importadores e exportadores", aconselhou Evaldo Silva Júnior. Fonte: Assessoria de Imprensa Expodireto Cotrijal


Compartilhar:
Todos os Direitos Reservados © 2019
Desenvolvido por: BRSIS